CPTM designa trabalhadores para atuarem em linhas privatizadas

CPTM designa trabalhadores para atuarem em linhas privatizadas


Carlos Giannazi (PSOL) está enviando ao Tribunal de Contas do Estado, ao Ministério Público estadual e à Comissão de Transportes da Alesp uma série de documentos que comprovam que a CPTM está desviando materiais, bem como horas de trabalho de servidores públicos, para realizar serviços de reparos e de manutenção nas linhas 8 e 9, que foram privatizadas em janeiro deste ano.

“Nosso mandato atuou junto com os trabalhadores da CPTM contra essa privatização, mas ela aconteceu. E agora o grupo CCR, o mesmo que tem a concessão de várias rodovias, não está conseguindo dar conta de operar o sistema. Os trens quebram a todo momento, todo dia acontece algum problema técnico. A população está revoltada, principalmente na região da Capela do Socorro, onde já ocorreram várias manifestações nas estações”, afirmou o deputado.

A situação, além de escancarar a falácia de que a iniciativa privada é mais eficiente que o serviço público, sugere a possibilidade de que esteja ocorrendo algum desvio. “As linhas 8 e 9 foram privatizadas e é o grupo CCR, por meio da concessionária Via Mobilidade, que tem de arcar com todos os custos de operação. Se o governo estadual está cedendo equipamentos e funcionários públicos da CPTM de forma pouco transparente, isso é uma imoralidade. Esses recursos públicos estão sendo desviados para beneficiar uma empresa privada e a CPTM vai ficando sem material e sem funcionários para cuidar dos trens que estão sob sua responsabilidade”, afirmou.

Entre os documentos que Giannazi está enviando aos órgãos de fiscalização estão fotografias dos reparos nos trens e nas linhas, ordens de serviço, relatórios de serviço, além de uma carta dos trabalhadores denunciando a instrumentalização dos serviço da CPTM para socorrer a Via Mobilidade.

Infoco Web

Infoco Web

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.