ALERTA GERAL – GOVERNO DE SÃO PAULO LIBERA LISTAGEM DAS CIDADES E JAGUARIÚNA JÁ REGISTRA 19 CASOS DA VARIANTE DELTA

ALERTA GERAL – GOVERNO DE SÃO PAULO LIBERA LISTAGEM DAS CIDADES E JAGUARIÚNA JÁ REGISTRA 19 CASOS DA VARIANTE DELTA

Muitos moradores de Jaguariúna se esqueceram de se cuidar e fazem festas e aglomerações.

Até agora a variante DELTA já atingiu 19 pessoas na cidade .Maior carga viralA Delta não só é mais transmissível do que as variantes anteriores do Sars-CoV-2, como também pode causar formas mais graves da doença.

Pessoas infectadas com a variante Delta abrigam cerca de mil vezes o número de partículas virais (que os especialistas chamam de “carga viral”) em seu swab nasal em comparação com aquelas infectadas com outra cepa, “o que é um aumento exponencial”, observa Eric Topol, fundador e diretor do Scripps Research Translational Institute, que não participou do estudo.SP passa a registrar 764 casos de Delta após inclusão de linhagens pela OMS

JAGUARIÚNA 19 CASOS .

HOLAMBRA 1 CASO .

MOGI GUAÇU 7 CASOS

PEDREIRA 1 CASO .

MOGI MIRIM 3 CASOS.

SOCORRO 3 CASOS .

CAMPINAS 8 CASOS

VALINHOS 1 CASO.

Nova classificação da Organização Mundial de Saúde altera análise e panorama variante de preocupação; Gamma segue predominante no EstadoCom a nova classificação da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a análise e confirmação de casos da variante Delta, SP passa a ter 764 casos, incluindo 747 autóctones e 17 importados.

A entidade passa a incluir como “variante de atenção” todas as linhagens derivadas da Delta. O número reflete o novo panorama da classificação genética da variante Delta, e não uma intensificação de sua transmissão, já que a Gamma ainda continua predominante no estado.

A “linhagem-mãe” da Delta (código B.1.617.2), como pode ser chamada a primeira identificada, já possuía “sublinhagens” que vão da AY.1 até a AY.22, mas apenas parte delas estava classificada desta forma até então. A partir desta definição da OMS, todas as derivadas passam a ser analisadas igualmente.“

Era esperado que a OMS procedesse à inclusão das derivadas da Delta, uma vez que as sequências virais eram todas classificadas desta forma, o que é útil para mapear o surgimento da linhagem em um território”, explica Adriano Abbud, Diretor de Respostas Rápidas do Instituto Adolfo Lutz.

O termo “variante de preocupação” (VOC ou “variant of concern”, na sigla em inglês) foi adotado para quatro variantes específicas pelas autoridades sanitárias internacionais devido à possibilidade de aumento de transmissibilidade ou gravidade da infecção.Entre elas, está também a variante Gamma (P.1), que ainda predomina em São Paulo: são 1.410 casos, o dobro em comparação à Delta.

As outras duas são a Alpha (B.1.1.7), com 38 casos em SP, e a Beta (B.1.351), com apenas três.Qualquer vírus passa por processo evolutivo e pode sofrer mutações, gerando cepas que compartilham um “ancestral” comum a partir da alteração de características – como capacidade de transmissão, multiplicação e gravidade de infecção.

Se um organismo é infectado com uma variante e o estímulo de resposta se difere da “linhagem-mãe” original, ele constitui uma cepa ou linhagem.A confirmação de variantes ocorre por meio de sequenciamento genético, um instrumento de vigilância, ou seja, de monitoramento do cenário epidemiológico, que não deve ser confundido com diagnóstico, este sim de caráter individual.

Portanto, não devem ser realizados, do ponto de vista técnico e científico, sequenciamentos individualizados, uma vez confirmada a circulação local da variante.As medidas já conhecidas pela população seguem cruciais para combater a pandemia do coronavírus: uso de máscara, que é obrigatório em SP; higienização das mãos (com água e sabão ou álcool em gel), distanciamento social e a vacinação contra a COVID-19.INFORMAÇÃO DA SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO.IMAGEM SENADO FEDERAL.

Roberto Torrecilhas

Roberto Torrecilhas

Diretor do Jornal Digital do Brasil , Líder Cristão , Casado , Pai , Apresentador do Programa Tamo Junto na TV Artes TV Cultura . Blogueiro , Atuante na defesa da Família, Jornalista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *