Chevrolet Spin Premier 2021: agora com ESP, mas para poucos

Chevrolet Spin Premier 2021: agora com ESP, mas para poucos


source
Spin
Caue Lira/iG

Chevrolet Spin Premier 2021: grade dianteira deixa de ser ativa, item que ajudava a manter a temperatura do motor sempre dentro do ideal

Os SUVs chegaram levando tudo pela frente, até as minivans. Hoje em dia, o segmento dos monovolumes, como a Chevrolet Spin, representa apenas 1% do mercado, conforme os dados mais recentes da Fenabrave.

Mesmo assim, a GM continua oferecendo o modelo que é o único do segmento feito no Brasil a poder vir com sete lugares, algo que é opcional na linha 2021, mesmo na versão Premier, que parte de R$ 97.890, mas pode chegar a R$ 103.290, dependendo a configuração.

A principal mudança na linha 2021 da Chevrolet Spin fica por conta da inclusão do controle eletrônico de estabilidade (ESP), equipamento que iria ser obrigatório em todos os carros feitos no Brasil a partir de 2022, mas acabou sendo adiado para 2024.

De qualquer forma, trata-se de um ganho importante em um modelo de uso familiar. Porém, se a minivan ganhou segurança, perdeu um item que ajudava a aquecer o motor mais rápido e a mantê-lo sempre na temperatura ideal: a grade ativa.

Não resta dúvida que depois da reforma no visual, a Spin ficou mais estilosa. Na versão Premier avaliada, a minivan conta com rodas de alumínio de aro 16 montadas em pneus 205/60R 16, filete de LED nos faróis, bancos e volante revestidos de couro com costuras aparentes, faróis auxiliares de neblina, barras na capota para ajudar a levar bagagem extra, entre outros itens.

Mas a central multimídia ainda é da primeira geração do Mylink, sem acesso à internet via conexão 4G, como outros modelos da GM , embora permita espelhamento de celulares Android e iOS com uso de cabo. O que também é de torcer o nariz é o pequeno botão para trocas sequenciais do câmbio automático de seis marchas na própria alavanca, que obriga a tirar uma mão do volante para acioná-lo.

Uma minivan pacata, como de costume

Por falar em câmbio, a caixa automática parece a mesma, mas não é. Recebeu novos ajustes que tornaram seu funcionamento ligeiramente mais suave. Entretanto, para provocar reduções de marcha, é preciso pisar com muita vontade no acelerador, não basta apenas uma pisada um pouco mais forte. A ordem do módulo de comando é manter o motor sempre em baixa rotação, o que até faz sentido para aproveitar os medianos 17,7 kgfm de torque a 2.600 rpm.

O motor 1.8 é bem conhecido, da Família I, que chegou a ser usado no sedã Cobalt . Porém, passou por uma série de atualizações para ficar mais eficiente e, por ser de concepção simples, com apenas 8 válvulas e sem variador de fase do comando de válvulas, acaba tendo manuteção mais em conta e boa robustez.

Como acerto mais voltado para o conforto, a suspensão absorve bem as irregularidades do piso, mas, em pisos mais acidentados, o ruído o mecanismo dos bancos vazios incomoda um pouco.

Nem é preciso lembrar que é bom ir devagar com o andor ao volante da Spin , os números de desempenho já deixam claro. Para acelerar de 0 a 100 km/h são necessários 10,2 segundos, com máxima de 173 km/h, o que está dentro da proposta de uma pacata minivan familiar. Afora os “grilos” do mecanismos dos bancos, a Spin é um carro silencioso, com direção com assistência elétrica, que facilita as manobras.

Quem for viajar com lotação máxima deve saber que o conforto na última fileira de bancos não é dos melhores e deixa o porta-malas com míseros 162 litros. Portanto, o ideal é que 7 pessoas sejam transportadas apenas para curtas distâncias.

Já com cinco ocupantes, sobra espaço para bagagem, com 553 litros, embora o último banco tenha que ficar preso por um elástico, o que deixa qualquer um com saudades do sistema Flex7, da Zafira .

E mesmo pisando de leve no pedal da direita a Spin não é das mais econômicas. Conforme dados do Inmetro, faz não tão animadores 7,7 km/l de etanol na cidade e 9 km/l na estrada, números que passam para 11,1 km/l e 12,7 km/l com gasolina, respectivamente. Com tanque de 53 litros, tem autonomia teórica de 673 km com gasolina em trechos rodoviários e de 477 km com etanol, ainda tomando como base os números do Inmetro.

Conclusão

Se não quiser um SUV de 7 lugares e fizer questão de um modelo nacional só vai encontrar a Chevrolet Spin no mercado hoje em dia. Mas com pintura métálica e todos os opcionais o carro chega a R$ 103.290, valor suficiente para levar seminovos como Dodge Journey R/T 2017 e Citroën C4 Grand Picasso 2018 1.6 THP.

Ficha técnica
Preço: a partir de R$ 97.890
Motor: 1.8, quatro cilindros, flex
Potência: 111 cv a 6.000 rpm
Torque: 15,3 kgfm a 5.200 rpm
Transmissão: Automático, seis marchas, tração dianteira
Suspensão:Independente (dianteira) e eixo de torção (traseira)
Freios: Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira
Pneus: 195/65 R15
Dimensões: 4,36 m (comprimento) / 1,74 m (largura) / 1,68 m (altura), 2,62 m (entre-eixos)
Tanque : 53 litros
Porta-malas: entre 710 e 750 litros (162 litros com sete lugares)
Consumo: 11,8 km/l (cidade) /13,7 km/l (estrada) com gasolina
0 a 100 km/h: 10,6 segundos
Vel. Max: 173 km/h

Fonte: IG CARROS

Infoco Web

Infoco Web

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *