Pai que matou bebê afogado já teria tentado assassinar o filho antes

Pai que matou bebê afogado já teria tentado assassinar o filho antes

Evaldo Christian Dias Zenteno, 21 anos, réu confesso pela morte do filho Miguel Henrique, de 2 anos, no dia 19 setembro do ano passado, já havia tentando matar o bebê o arremessando no chão. A informação é do Campo Grande News, com base em nova denúncia do MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) protocolada ao processo no último dia 3. O rapaz já responde por homicídio triplamente qualificado.

Conforme o site, uma testemunha contou em audiência de custódia realizada em dezembro do ano passado que, sete dias antes de matar o filho afogado numa bacia para se vingar da ex-mulher, Thayelle Cristina Bogado dos Reis, 21 anos, mãe da criança, o acusado havia tentado matar Miguel o arremessando no chão.

Por causa da pancada, o menino chegou a perder a consciência e foi socorrido para uma unidade de saúde receber atendimento médico. O fato aconteceu na casa do pai dele, em Aquidauana. Segundo a denúncia, o réu agiu por motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima.

O CASO

No dia 9 de dezembro do ano passado, na primeira audiência sobre o caso, seis testemunhas de acusação foram ouvidas pelo juiz Aluízio Pereira dos Santos, pelo Ministério Público Estadual e pela defesa de Evaldo.

O jornal da Capital relembra, que na ocasião, Thayelle contou ao juiz que namorou com o réu por três meses antes de casar com ele. Estavam juntos há três anos quando ela resolver se separar e voltar a morar em Aquidauana com a família.

Nos meses longe, Evaldo nunca aceitou o fim do relacionamento e se mostrou possessivo. Ligava diariamente, mandava mensagens pedindo para voltar e até tentava beijar e abraçar a ex-mulher quando se encontrava com ela. Mas como pai, fazia questão de estar perto do filho e se dizia sempre preocupado com o ele.

Crime

Evaldo foi preso depois de levar o filho já morto para a Santa Casa de Campo Grande. Em um primeiro momento afirmou que o menino havia sido jogado em um córrego durante um assalto e por isso a Polícia Militar foi chamada.

Após desmentir a história do assalto, Evaldo alegou que foi orientado por um amigo a tirar a vida do próprio filho para de vingar da ex-mulher, mãe da criança. Ele chegou a levar a polícia até a casa do suspeito, mas no local os as equipes descobriram que Evaldo estava novamente mentindo. Diante da situação, acabou confessando ter cometido o crime sozinho.

Jornal Digital do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *