Roubo em Viracopos: mãe e criança reféns são liberadas após 2h; criminoso é morto com auxílio de sniper

Roubo em Viracopos: mãe e criança reféns são liberadas após 2h; criminoso é morto com auxílio de sniper

Quadrilha levou carga de dinheiro de transportadora e, durante a fuga, bloqueou rodovia com caminhões incendiados.

Um criminoso que participou do roubo em Viracopos nesta quinta-feira (17) foi morto após fazer um bebê de 10 meses e a mãe dele reféns em uma casa no bairro Vida Nova, em Campinas (SP), próxima ao aeroporto. O sequestro durou cerca de duas horas e, segundo o comandante do Gate, um sniper atingiu o sequestrador.

O bebê saiu da casa ileso. A mulher foi socorrida pela equipe do Corpo de Bombeiros com um ferimento na nádega esquerda e encaminhada ao Hospital da PUC. O criminoso morreu no local. Segundo o Gate, as negociações começaram por volta de 12h e acabaram às 14h06. Outros dois criminosos foram mortos durante a fuga do roubo em Viracopos.

“As negociações caminhavam muito bem até que o meliante com a arma na cabeça da refém, que tinha a filha no colo, se aproximou da porta e aumentou a agressividade de forma desconhecida, então o sniper que estava posicionado do outro lado da rua efetuou um disparo, um tiro de comprometimento, e a equipe tática fez a invasão”, informou o comandante do Gate, Luiz Augusto.

Segundo o policial, a equipe que invadiu o imóvel ainda fez novos disparos contra o criminoso que fazia mãe e bebê reféns.

A advogada Alessandra Giradi, que disse representar Luciano Santos Barros, o suspeito morto dentro da residência, informou que saiu de São Paulo até o local do sequestro para que o cliente se entregasse. Segundo ela, o homem, que ela confirmou ter participado do roubo no aeroporto, iria se entregar e foi “executado”.

Resumo

  • Uma quadrilha roubou uma empresa de transporte de valores no terminal de cargas de Viracopos
  • Houve troca de tiros, e dois vigilantes foram baleados
  • Na fuga, os criminosos interditaram a Rodovia Santos Dumont (SP-075) nos dois sentidos com três caminhões incendiados. O bloqueio durou uma hora e meia; por volta das 12h, as pistas foram liberadas
  • A PM encontrou um dos suspeitos de participar do crime em uma casa perto do aeroporto. Ele fez reféns e foi cercado pela polícia, sendo morto com auxílio de um sniper após duas horas de negociação.
  • Outros dois suspeitos foram mortos
  • Uma metralhadora ponto 50, uma arma de guerra capaz de atingir aviões, foi apreendida
  • A PM também conseguiu recuperar parte do dinheiro roubado num caminhão de lixo (a quantia não foi informada)
  • O aeroporto ficou fechado para pousos e decolagens das 10h às 10h20. As lojas também foram fechadas

O comandante-geral da PM, coronel Marcelo Salles, informou que o major da PM que foi baleado passa por cirurgia.

“Ocorrência gravíssima. Marginais fortemente armados com metralhadoras ponto 50, submetralhadoras, fuzis, capacetes, coletes tentaram subtrair o contêiner de dinheiro. A ocorrência está em curso. Vigilantes reagiram e um deles foi ferido de raspão no braço e outro na orelha. Houve um segundo confronto com a PM. O major Moreira, subcomandante da PM em Campinas, foi ferido a tiro e está em cirurgia em Campinas”.

Em nota, a Rede Mário Gatti informou que três funcionários da empresa assaltada no Aeroporto de Viracopos foram atendidos no Hospital Municipal Dr. Mário Gatti e um policial foi atendido no Hospital Ouro Verde. “Os hospitais não têm autorização para informar o estado de saúde dos pacientes”, destaca o texto.

Como foi o assalto em Viracopos

Os criminosos interceptaram, no pátio interno do terminal de cargas, um contêiner que carregava uma grande quantidade de dinheiro e iria ser embarcado em um avião da transportadora UPS. Para chegar até lá, usaram carros clonados. 

A concessionária que administra Viracopos disse, em nota, que a quadrilha acessou o Terminal de Carga pelo portão E24, usando duas caminhonetes semelhantes a veículos da Aeronáutica. “Esses veículos tiveram os pneus dilacerados na entrada do portão, mesmo assim, seguiram até o pátio do Terminal de Carga e fizeram o assalto portando forte armamento”, afirmou.

“A quadrilha fugiu utilizando duas caminhonetes que aguardavam do lado de fora”, afirmou a concessionária. Três caminhões foram incendiados na Santos Dumont, o que provocou caos no trânsito. O bloqueio durou uma hora e meia.

Um dos seguranças foi baleado na orelha e outro na perna. Eles foram levados ao Hospital Municipal Dr. Mário Gatti, e o estado de saúde ainda não é conhecido.

Ao menos parte da carga foi levada e depois encontrada pela PM em uma lixeira. A transportadora de valores Brinks, que foi alvo do assalto, disse estar levantando as informações. Em nota, a empresa informou que “está colaborando com as autoridades competentes para apuração do ocorrido”.

A PM e a Guarda Municipal interceptaram a quadrilha durante a fuga e houve troca de tiros. Três viaturas da Guarda Municipal e uma da PM foram alvejadas. Um policial militar foi baleado na perna. Segundo a PM, o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foi chamando.

Atrasos em voos

Em nota, a assessoria da companhia aérea Azul informou que três voos cancelados em virtude do assalto.

  • AD4474 Campinas-Passo Fundo
  • AD4477 Passo Fundo-Campinas
  • AD4282 Campinas-Curitiba

“Os clientes receberam a assistência necessária, como previsto em legislação, e foram reacomodados em outros voos da própria companhia”, diz texto.

Jornal Digital do Brasil

Jornal Digital do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *