Cuidado com os azeites fraudados e falsicicados .

Cuidado com os azeites fraudados e falsicicados .

A polícia descobriu uma fábrica clandestina de azeite na Zona Leste de São Paulo. Ali fabricavam uma mistura de óleos, azeites lampantes e aromatizantes nocivos à saúde e que era vendida como azeite de oliva. Nessa operação foram apreendidos 40 mil litros de óleo vegetal e 15 mil litros de azeite falsificado pronto para venda com as marcas Olivais do Porto, Quinta Lusitana, Évora, Quinta D’ouro, Oliveiras do Conde.

Resultado de imagem para cuidado com os azeites falsificados

Em análises recentes, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, reprovou, no âmbito da Operação Isis, 59,7% das amostras de azeite de oliva, indicando que muitos produtos fraudados são comercializados no Brasil. A fraude mais recorrente é a mistura do produto com outros tipos de óleos para venda como se fosse azeite de boa qualidade. Outra irregularidade é classificar no rótulo e vender o produto como tipo extra virgem e ser um tipo virgem ou lampante – que, na verdade, deveria ser destinado ao uso industrial e não à alimentação!

Imagem relacionada

É fácil para o consumidor diante de uma gôndola ter os olhos brilhando aos atrativos fakes de rótulos de produtos que não condizem com o que está dentro da garrafa por conta dos preços acessíveis. Na escolha do azeite, atente-se ao rótulo! Para que o produto seja considerado “azeite extra virgem” ou “azeite de oliva virgem”, segundo a normativa do Ministério da Agricultura, não é permitida a presença de misturas com óleos vegetais refinados, como de soja, milho e girassol, de outros ingredientes, aromas ou sabores. No caso do azeite de oliva refinado, o rótulo mencionará, obrigatoriamente: “tipo único”.

Imagem relacionada

Outras dicas para a escolha de um bom azeite, são:

– Verificar a data de produção: quanto mais fresco, melhor;
– O local de origem e procedência devem ser, preferencialmente, no mesmo país, evitando assim possíveis fraudes;
– As garrafas escuras ajudam a conservar o produto, por isso escolha as embalagens que não estejam em contato com a luz e com o calor;
– Nomenclaturas como “tempero português” ou “tempero espanhol” significam que aquele produto é uma mistura, e não um azeite de oliva de boa qualidade.
– Não tenha receio de incluir um bom azeite extra virgem na sua dieta. Basta ter cautela e investir cinco minutos do seu tempo analisando o produto antes de comprá-lo e, claro, desconfiar de marcas muito baratas, pois é necessário um mínimo de 10 quilos de azeitona para se fazer 1 litro de azeite.

as imagens são de azeites reprovados nas análises da proteste e de azeites falsificados.

JDB – A NOTÍCIA EM FORMA DE VERDADE .

Jornal Digital do Brasil

Jornal Digital do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *