Campinas investiga suspeita de morte por febre maculosa

Campinas investiga suspeita de morte por febre maculosa

Carrapato-estrela é o responsável por transmitir a febre maculosa — Foto: CDC/ Dr. Christopher Paddock/ James Gathany

Carrapato-estrela é o responsável por transmitir a febre maculosa — Foto: CDC/ Dr. Christopher Paddock/ James Gathany

A Prefeitura de Campinas (SP) informou que investiga uma suspeita de morte por febre maculosa, transmitida pelo carrapato-estrela, no Jardim Chapadão. O caso foi registrado nesta quarta-feira (14) no sistema do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa).

A investigação foi iniciada com uma visita domiciliar que aconteceu nesta quarta, disse a Prefeitura. “Será feita, ainda, a pesquisa acarológica, para verificar a presença ou não de carrapatos e o tipo de carrapato existente no local de provável infecção”.

Se o caso for confirmado, a Prefeitura informou que vai realizar ações de educação em saúde no local afetado. Ela afirmou ainda que não divulga informações pessoais da vítima.

Doença pode matar

A febre maculosa é uma infecção grave e pode matar. Não existe vacina contra a doença e a orientação para pessoas que passam por áreas de risco é ficar atenta, em até 15 dias, aos sintomas da doença:

  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Dor intensa no corpo
  • Mal-estar generalizado
  • Náuseas
  • Vômitos

Ao apresentar um desses sinais, a pessoa deve procurar o serviço de saúde e informar que teve contato com o carrapato e/ou com locais de risco.

O que é Febre Maculosa?

A febre maculosa é uma doença infecciosa, febril aguda e de gravidade variável. Ela pode variar desde as formas clínicas leves e atípicas até formas graves, com elevada taxa de letalidade. A febre maculosa é causada por uma bactéria do gênero Rickettsia, transmitida pela picada do carrapato.

No Brasil duas espécies de riquétsias estão associadas a quadros clínicos da Febre Maculosa:

  • Rickettsia rickettsii, queproduz a doença grave registrada no norte do estado do Paraná e nos Estados da Região Sudeste.
  • Rickettsia sp. cepa Mata Atlântica, que tem sido registrada em ambientes de Mata Atlântica, produzindo quadros clínicos menos graves.

No Brasil, os principais vetores e reservatórios são os carrapatos do gênero Amblyomma, tais como A. sculptum (= A. cajennense) conhecido como carrapato estrela ,  A. aureolatum e A. ovale. Entretanto, potencialmente, qualquer espécie de carrapato pode ser reservatório da bactéria causadora da Febre Maculosa, como por exemplo, o carrapato do cachorro.

A Febre Maculosa, se não tratada adequadamente, pode evoluir para quadros graves e levar a pessoa à morte.IMPORTANTE: De acordo com a Portaria do MS de consolidação Nº 4 de 03 de outubro de 2017 todo caso de febre maculosa é de notificação obrigatória às autoridades locais de saúde. Deve-se realizar a investigação epidemiológica em até 48 horas após a notificação, avaliando a necessidade de adoção de medidas de controle pertinentes.

Quais são os sintomas da Febre Maculosa?

Os principais sintomas da Febre Maculosa são:

  • Febre acima de 39ºC e calafrios, de início súbito.
  • Dor de cabeça intensa.
  • Náuseas e vômitos.
  • Diarreia e dor abdominal.
  • Dor muscular constante.
  • Inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés.
  • Gangrena nos dedos e orelhas.
  • Paralisia dos membros que inicia nas pernas e vai subindo até os pulmões causando paragem respiratória.

Além disso, com a evolução da  Febre Maculosa é comum o aparecimento de manchas vermelhas nos pulsos e tornozelos, que não coçam, mas que podem aumentar em direção às palmas das mãos, braços ou solas dos pés.

Como ocorre a transmissão da Febre Maculosa?

A transmissão da Febre Maculosa, em seres humanos, é basicamente por meio da picada do carrapato infectado pela bactéria causadora da doença. Os carrapatos permanecem infectados durante toda a vida, em geral de 18 a 36 meses.

Ao picar e se alimentar do sangue, o carrapato transmite a bactéria por meio da saliva. Geralmente a pessoa não percebe que foi picada nem sabe aonde aconteceu, porque a picada não causa dor, apesar de ser o suficiente para abrir espaço para a bactéria entrar no organismo.

No Brasil, a maior parte dos casos de Febre Maculosa ocorre na região sudeste e os animais que geralmente são hospedeiros desse tipo de carrapato são a capivara e o cavalo. Ao atravessar a barreira da pele, a bactéria causador da Febre Maculosa chega ao cérebro, pulmões, coração, fígado, baço, pâncreas e tubo digestivo, e por isso é importante saber identificar e tratar essa doença o quanto antes para evitar maiores complicações e até mesmo a morte.

O período de incubação da doença, ou seja, período da infecção até manifestação dos primeiros sintomas, é de 2 a 14 dias, mas varia de acordo com cada pessoa.

Febre Maculosa: causas, diagnóstico, tratamento, diagnóstico e prevenção

A Febre Maculosa é uma doença causada pela picada do carrapato.

Como é feito o tratamento da Febre Maculosa?

O tratamento precoce da Febre Maculosa é essencial para evitar formas mais graves da doença e até mesmo a morte da pessoa. Assim que surgirem os primeiros sintomas, é importante procurar uma unidade de saúde para avaliação médica. O tratamento é feito com antibióticos específicos. Em determinados casos, pode ser necessária a internação da pessoa.

O sucesso do tratamento, com consequente redução da letalidade, está diretamente relacionado à precocidade de sua introdução e à especificidade do antimicrobiano prescrito. A terapêutica é empregada rotineiramente por um período de 7 dias, devendo ser mantida por 3 dias, após o término da febre.

A falta ou demora no tratamento da Febre Maculosa pode afetar o sistema nervoso central e causar encefalite, confusão mental, delírios, convulsões e coma. Os rins podem ser afetados, apresentando insuficiência renal aguda e inchaço por todo o corpo. Os pulmões também podem ser atingidos, em casos mais graves, gerando, muitas vezes, necessidade de suporte de respiração.IMPORTANTE:  A partir da suspeita médica da bactéria, causadora da Febre Maculosa, o tratamento com antibióticos deve ser iniciado imediatamente, não se devendo esperar a confirmação laboratorial do caso. Quanto mais rapido o tratamento for iniciado, maiores serão as chances de cura e menores as possibilidades de complicações ou morte.

Como é feito o diagnóstico da Febre Maculosa?

O diagnóstico precoce da Febre Maculosa é muito difícil, principalmente durante os primeiros dias de doença, tendo em vista que os sintomas também são parecidos com outros problemas de saúde, como leptospirose, denguehepatite viral, salmonelose, encefalite, malária, meningitesarampolúpus e pneumonia.

No entanto, o médico fará avaliação dos sintomas e perguntará onde você mora ou se esteve em locais com grandes chances de ter sido picado por um carrapato, ele também pode solicitar uma série de exames para confirmar ou contribuir com o diagnóstico. 

Os testes laboratoriais mais indicados para diagnóstico específico da Febre Maculosa são:

  • Reação de imunofluorescência indireta (RIFI): detectam presença de anticorpos contra a bactéria, a partir de coleta de sangue
  • Exame de Imunohistoquímica: detecta a bactéria em amostras de tecidos obtidas a partir de biópsia de lesões de pele.
  • Técnicas de biologia molecular − reação em cadeia da polimerase (PCR): realizada a partir de amostras de sangue, tecido de biópsia. Detecta o material genético da bactéria.
  • Isolamento da bactéria: O isolamento da bactéria é feito a partir do sangue (coágulo) ou de fragmentos de tecidos (pele e pulmão obtidos por biópsia) ou de órgãos (pulmão, baço, fígado obtidos por necrópsia), além do carrapato retirado do paciente. A bactéria irá crescer em um meio de cultura.

Os testes laboratoriais mais indicados para diagnóstico inespecífico e complementares da Febre Maculosa são:

  • Hemograma: observa alteração no padrão das células sanguíneas como, anemia, diminuição de plaquetas.
  • Enzimas: algumas enzimas do corpo podem estar aumentadas, demonstrando indício de alguma infecção.

Os resultados desses exames, no entanto, podem levar semanas. Por isso, se houver suspeita, o médico deve iniciar o tratamento com antibióticos urgentemente, tendo em vista que quanto mais cedo a terapia for iniciada, maiores são as chances de se evitar complicações e morte do paciente.

Com informações da Secretária de SAÚDE E G1 CAMPINAS

Roberto Torrecilhas

Roberto Torrecilhas

Diretor do Jornal Digital do Brasil , Líder Cristão , Casado , Pai , Apresentador do Programa Tamo Junto na TV Artes TV Cultura . Blogueiro , Atuante na defesa da Família, Jornalista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *